Por que o dia mundial de combate à Tuberculose é importante?

Tuberculose

O dia 24 de março foi escolhido pela OMS em 1982 como dia mundial de combate à Tuberculose. A data faz parte da semana de conscientização da luta contra esta doença infectocontagiosa que apesar de curável ainda é um grande desafio para a saúde pública. Neste artigo você vai entender um pouco mais sobre o histórico da tuberculose, as raízes do problema, os desafios e as iniciativas adotadas para combatê-la.

A tuberculose na história

Apesar de ter sido batizada com este nome em 1882 pelo bacteriologista alemão Robert Koch, a tuberculose é uma das doenças mais antigas do mundo, tendo registros de 8.000 antes de Cristo. À época, a doença se espalhou pelo mundo em função das guerras.

Mais tarde, por volta dos séculos XVII e XVIII, os estudos de anatomia fizeram com que a doença passasse a ser conhecida pelo seu nome atual, e tratada a partir de protocolos higieno-dietéticos: repouso, boa alimentação e isolamento em clima montanhoso (sanatórios).

No Brasil, o Estado passou a atuar no combate à Tuberculose no início do século XX, através da criação da Inspetoria de Profilaxia da Tuberculose. A invenção da vacina BCG em 1930 é considerada um marco nos avanços dessa luta, seguido da descoberta da quimioterapia antibiótica específica, em 1940.

A partir da década de 90, no entanto, a Tuberculose voltou a crescer, acometendo portadores de HIV no que se denomina coinfecção. Dessa forma, a Tuberculose mata 33% dos soropositivos.

A tuberculose no Brasil

“O Brasil conseguiu atingir as Metas dos Objetivos do Milênio (ODM) de combate à tuberculose com três anos de antecedência e, em 2015, aderiu ao compromisso global de redução de 95% dos óbitos e 90% do coeficiente de incidência da doença até 2035.”(Agência Fiocruz de Notícias).

Apesar dessas boas notícias, ainda existem muitos desafios, principalmente porque a tuberculose é um problema social, e o enfrentamento da doença no contexto da pandemia de COVID-19 ganhou novos obstáculos, como a sobrecarga do sistema de saúde.

É o que constata o Boletim Epidemiológico de 2021, emitido pelo Ministério da Saúde. Segundo o documento, houve redução das notificações e do consumo de cartuchos de teste rápido molecular para a tuberculose. Tais  indicadores servem apenas como uma prévia do comportamento da tuberculose durante a pandemia de COVID-19.

Os três maiores desafios do combate à Tuberculose

Entre os fatores que dificultam o fim da Tuberculose como problema de saúde pública, três são os principais. Acompanhe.

  1. Resistência das bactérias: um dos principais dificultadores no combate à doença é a mutação genética sofrida pelas bactérias causadoras, o que neutraliza a ação dos antibióticos.
  2. Desigualdade social: os índices mais elevados de mortalidade por tuberculose no Brasil concentram-se em regiões periféricas, populosas, com baixa qualidade habitacional e falta de acesso a serviços essenciais.
  3. População de usuários de crack: não possuem moradia fixa, não procuram atendimento, e, quando o fazem, abandonam o tratamento aos primeiros sinais de melhora, tornando a infecção resistente aos remédios. Isso tudo associado ao uso de outras substâncias,como o álcool.

O apoio à causa da Tuberculose

A cor escolhida para representar o dia mundial do combate à Tuberculose é o vermelho. No Brasil, a Parceria Contra a Tuberculose (Stop TB Brasil) atua com uma frente de mais de 100 organizações apoiando o governo nos âmbitos estadual e municipal no enfrentamento à doença, também no ensino e na pesquisa.

Concluímos que tanto a sociedade civil quanto a iniciativa privada, assim como as autoridades e o Ministério da Saúde precisam promover ações pelo fim da Tuberculose.

Agora que você já conhece as raízes do cenário atual da tuberculose e sabe quais as dificuldades enfrentadas especialmente pelos países onde há populações marginalizadas, que tal manifestar seu apoio a esta causa?

Para mais informações e esclarecimentos: